Meu Grande Casamento Vegetariana: Assim, Organizei E Assim Se Passaram Os Convidados 1

Meu Grande Casamento Vegetariana: Assim, Organizei E Assim Se Passaram Os Convidados

Desde que o meu sem demora marido e eu decidimos nos casar, tivemos claro que não haveria carne no nosso casamento. Há 9 anos que me tornei vegetariana e, um ano depois, dei o passo para o veganismo. Ele tem quatro anos, a ser vegetariano.

O que não estava tão claro era se o menu seria vegetariano ou vegano. A opção vegetariana incluiria, e também verduras, frutas e legumes, alguns produtos de origem animal, como laticínios e ovos. A opção vegana, por sua vez, exclui esses últimos alimentos (apesar de ser vegana vai muito além da alimentação). Eu tenho um blog de receitas veganas desde há 7 anos, pelo que a maior parte dos convidados -por volta de 120, no entanto todos muito próximos – aguardava-se um casamento veggie.

Para nós é alguma coisa comparável a se a uma católica que vai todos os domingos à missa lhe perguntassem: “Então, vai se casar na Igreja?”. Pois o natural é que sim. Ao desfecho, um casamento é -ou deveria ser – um reflexo do casal. Eu amo das festas de casamento que eu e imagino: “Muito eles”. E nossa vontade era essa, organizar uma celebração pra celebrar a nossa combinação, e que fora “muito de nós.”

Ainda desta maneira, é verdade que, essencialmente às pessoas mais e menos familiarizada com a nossa dieta, poderia lhe custar. Só nos deparamos com um convidado que mostrasse abertamente seu descontentamento com a nossa decisão. Simplesmente a respeitamos e, sem raiva nem ao menos contradição alguma, nós as aceitamos.

  1. “November Rain” (Versão com guitarra) – 4:Cinquenta e sete
  2. Um defeito fez com que a edição fosse lenta. [13]
  3. Recusar-se a conceder-lhe alguma “prova” de que você tem o certo de saber
  4. Encerramento: “Hero” por Yoshiki ft. Katie Fizgerrald de VIOLET UK
  5. 7 O aviso prévio 2.7.1 Conceito
  6. A informação: Azulgranas de vida
  7. A Proposta Parisiense pra pedir a mão
  8. Seoane: “Não me sinto inferior a ninguém”

Tivemos claro desde o começo que o nosso casamento não seria uma causa de confronto com ninguém. Então, no momento em que o casamento se aproxima, nos informou de sua modificação de decisão e aproveitou o dia conosco. Curiosamente, as considerações vieram de fora, de pessoas que não tínhamos convidado porém que tinha ouvido expressar de nossa idéia. O que mais se repete é que era uma decisão egoísta, que pensávamos insuficiente os convidados. E nada está mais longe da realidade. Precisamente no momento em que partimos para a pesquisa de catering para eventos a prioridade era descobrir uma pessoa que nos pudesse fazer um menu rico, apetitoso e que gustasse destinado a pessoas que não estão habituadas a ingerir à apoio de plantas.

Por acaso, demos com Maria, uma enorme profissional que entendeu a nossa idéia, desde o início, apesar de não trabalhar em um buffet especializado, contudo sim com a vontade de fazer coisas recentes. Em um casamento usual, se bem que se adapte, cota-se de alguns pratos que, em seguida, altera minimamente. Chegado o dia do casamento, uma das coisas que mais me diziam era: “Carlos, você tem que passar a receita para esta finalidade” ¡