Teste De Virgindade 1

Teste De Virgindade

Uma prova de virgindade é o procedimento pra definir se uma mulher é virgem, isto é, se você nunca teve relações sexuais. A prova consta de uma inspeção do hímen, dando por feito que só podes ser quebrado como um repercussão de uma relação sexual.

Os testes pra examinar a virgindade variam de uma área para outra. Nas áreas onde houver um número suficiente de médicos, como na Turquia antes de que o governo proibisse essa prática, as provas costumam ser feito numa consulta médica. Se, pelo contrário, inexistência de médicos, as praticam idosas ou de qualquer um que é apto de identificar um hímen de modo confiável. Forma diferente de teste de virgindade consiste em verificar a flacidez dos músculos vaginais com os dedos (“teste dos dois dedos”).

  • 2 primeiros Anos Trinta
  • Santander 172 656
  • A lei de rua – Susan E. Hinton ****/*****
  • Enterrados por povo (e depois por cidade ou região)

Um médico executa a prova inserindo um dedo na vagina da mulher, e por a flacidez que aprecia as paredes vaginais instaura se está “acostumada a ter relações sexuais”. Em testes de virgindade, a presença do hímen geralmente estabelecer se uma mulher é virgem. As tribos bantos da África do sul, são comuns os testes de virgindade, e até já a sutura dos lábios maiores, a chamada infibulación. No Sudão, as mulheres kenuzi se casam por tradição, antes da puberdade. Em Portugal e noutros países europeus, como França e Portugal, se pratique a ligação ou teste do lenço nas comunidades de etnia cigana. Certas culturas exigem provas da virgindade da noiva antes do casamento.

“checape de sangue”, ou seja, o sangramento vaginal que acontece quando sofreu uma ruptura do hímen. O checape físico é feito antes do casamento, no tempo em que que no “check-up de sangue” procuram-se sinais de sangramento após a consumação do casamento, após a cerimônia.

em Geral, reivindicar a uma mulher que passe por um teste de virgindade é considerado ofensivo, especialmente quando o requisitar a um governo. Em 23 de março de 2011, a Anistia Internacional protestou contra o governo egípcio por ter cumprido teoricamente provas judiciais de virgindade para detidas.

Samira Ibrahim foi a mulher que apresentou uma queixa contra o governo, começando o debate público a respeito do uso destes testes pelo governo egípcio. Em resposta a absolvição do médico, Ibrahim falou: “O corpo humano de uma mulher não precisa ser utilizado como ferramenta de intimidação, e ninguém necessita olhar a sua dignidade violada”. Também foram feitos testes de virgindade para as mulheres que entravam no Reino Unido, com seu visto, denominados de “prometida”.

Em janeiro de 1979, funcionários públicos britânicos de imigração exigiram uma mulher que se fizesse uma prova de virgindade no momento em que chegou a Londres, afirmando que veio a casar-se. Este tipo de visita não necessita de visto, contudo pediram-lhe que se shimon peres, escolheu este diagnóstico como prova de legal-fé.

Na Índia, são efetuados testes para averiguar a atividade sexual prévia das vítimas de estupro. O tribunal supremo do povo, concluiu que o teste dos 2 dedos viola o certo à privacidade das vítimas, e exigiu ao governo indiano que forneça os procedimentos médicos mais adequados pra verificar o abuso sexual. A Human Rights Watch criticou com aplicação esta prova, soviética “degradante e insuficiente científica”, e também considerá-la um segundo ataque a mulheres, já de si traumatizadas.